Tambor da Aldeia - Liberdade de Imprensa

Câncer de pâncreas tem maior incidência em pessoas com mais de 60 anos, diabéticos e fumantes

Partilhar:
Danntec Engenharia
Câncer no Pâncreas

O diagnóstico precoce é possível em apenas parte dos casos, pois a maioria dos pacientes só apresenta sintomas em fases mais avançadas da doença


O pâncreas é um órgão muito importante para o funcionamento dos aparelhos digestivo e endócrino, e produz enzimas e hormônios essenciais para o metabolismo, como a insulina. O câncer de pâncreas é um tipo de tumor agressivo que geralmente se desenvolve silenciosamente e somente manifesta sintomas quando a doença já está avançada.

A doença é mais comum em pessoas acima dos 60 anos, diabéticos e fumantes. Além disso, a exposição a produtos químicos e solventes, como o estireno, o cloreto de vinila e agrotóxicos, o consumo excessivo de alimentos gordurosos e de bebidas alcoólicas também aumentam as chances de desenvolver a doença. “O elevado número de jovens tabagistas, influenciados muitas vezes pela moda do cigarro eletrônico, com a falsa ideia de segurança, tem preocupado as autoridades de saúde”, relata a oncologista do Hospital Brasília Rafaela Veloso.

Os primeiros sintomas do câncer de pâncreas geralmente são bastante inespecíficos: sensação de má digestão e dor abdominal. Por isso, o diagnóstico precoce só é possível em alguns casos. Quando em estágio mais avançado, alguns dos sintomas que devem ser prontamente investigados são icterícia (pele e mucosas amarelas), urina escura, cansaço excessivo, perda de apetite e de peso, além de dor no abdômen superior e nas costas. “Na maior parte das vezes, esses sintomas não são causados por câncer, mas é importante que eles sejam investigados por um médico, principalmente se não melhorarem em poucos dias”, destaca a médica.

O diagnóstico pode ser feito por meio de exames clínicos, laboratoriais, endoscópicos ou radiológicos em pessoas com sinais e sintomas sugestivos da doença, ou de rastreamento em pessoas sem sinais ou sintomas, mas pertencentes a grupos com maior chance de ter a doença. Contudo, como não há evidência científica de que o rastreamento do câncer de pâncreas traga mais benefícios que riscos, até o momento ele não é recomendado.

O tratamento depende do tipo de tumor, da avaliação clínica do paciente, dos exames laboratoriais e de estadiamento (que é quando se verifica se a doença se espalhou pelo corpo). De acordo com a oncologista, o estado geral em que o paciente se encontra no momento do diagnóstico é fundamental no processo de definição terapêutica.

A cirurgia, único método capaz de oferecer chances de cura, é possível em uma minoria dos casos, pelo fato de, na maioria das vezes, o diagnóstico ser feito quando a doença já se encontra em fase avançada. Nos casos em que a cirurgia não é apropriada, a radioterapia e a quimioterapia são as formas de tratamento, associadas a todo o suporte necessário para minimizar os transtornos gerados pela doença. “O avanço das técnicas de radioterapia e dos tratamentos sistêmicos cada vez mais personalizados estão melhorando a sobrevida e qualidade de vida mesmo dos pacientes diagnosticados nas fases mais avançadas da doença”, finaliza ela.

Com informações de Pollyana Cabral – Re9 Comunicação
Partilhar:

ABBP

ATUALIDADE POLÍTICA

saúde

0 comentários: