Tambor da Aldeia - Liberdade de Imprensa

Caixas d'água tinham erros graves, diz Crea-ES

Partilhar:
Danntec Engenharia
Caixa d'água do Residencial São Roque I, em Padre Gabriel, Cariacica desabou em cima do prédio . Crédito: Fernando Madeira

De acordo com o órgão, que fez vistoria em condomínio onde ocorreu queda de estruturas, relatório final sai em 15 dias


As duas caixas d'água que desabaram no condomínio São Roque, no bairro Padre Gabriel, em Cariacica, no dia 30 de dezembro, tinham erros graves de fabricação e nos projetos de execução, de acordo com o presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (Crea-ES), Jorge Silva.

O relatório final com as causas do desabamento será divulgado pelo órgão nos próximos 15 dias.

Na tarde deste sábado (30), o Crea-ES realizou uma vistoria nas obras de recuperação dos imóveis afetados com a queda das caixas d'água e na rede hidráulica do prédio. Até então, faltam ser entregues seis apartamentos, que devem ser finalizados daqui a 12 dias.

Na época, por conta do desabamento, cerca de 75 famílias tiveram de sair de suas casas. O acidente também tirou a vida do bombeiro hidráulico Jucelino Roncon, 54, que realizava manutenção em uma das caixas d'água.

Segundo o presidente do Crea-ES, a espessura das chapas de aço e carbono nas bases das caixas d'água tinham apenas oito milímetros, número inferior para o tamanho da estrutura, que tem 33 metros de altura. “É muito comprimento para pouca largura de base e não há uma consistência no material utilizado em termos de espessura. Isso traz insegurança com relação à sua eficiência e capacidade”.

Também houve erros graves nas especificações utilizadas no material e nas Anotações de Responsabilidade Técnicas (ARTs), que só foram feitas recentemente. Apesar disso, o presidente do Crea-ES pontuou que ainda não dá para afirmar que isso ocasionou o acidente. “Apenas na perícia final vamos ter as respostas”, ressaltou.

A Cobra Engenharia, empresa construtora, informou que só irá se posicionar sobre o caso após os laudos. A instituição havia contratado uma empresa terceirizada para realizar a construção das caixas d'água, a paulista Carmaço.

Jorge Silva

Presidente do Crea-ES "Há problemas de espessura, de material, da qualidade do aço que foi utilizado. São erros gritantes"

Durante entrevista concedida no residencial neste sábado, o presidente do Crea-ES disse que variantes meteorológicas, como rajadas de vento, também podem ter contribuído para as quedas.

Jorge Silva afirmou ainda que a empresa vai ser punida pelo conselho, e pode ter que responder na Justiça pelo desabamento.

"A empresa pode ser punida civil e criminalmente. E, durante esta semana, ela vai ser punida pelo Crea, com auto de infração pelas infrações cometidas. Não se pode admitir que uma empresa de São Paulo, que está atuando no Espírito Santo há mais de dois anos, não tem um visto aqui. As anotações de responsabilidade técnica dela só foram feitas e entregues agora. Então, tem vários erros. Inicialmente, ela deve sofrer cinco autuações", disse Silva.

O presidente do Crea-ES listou as autuações que serão emitidas para a Camarço Reservatório. Entre elas, negligência no prazo do envio de documentos, uso indevido de materiais, e falhas graves nos projetos executivo e estrutural.

“Primeiro, por questão de negligência, com relação a mandar os documentos no prazo determinado. Segundo, porque as anotações de responsabilidade técnica foram de regularização e não previamente emitidas. Terceiro com relação aos usos indevidos de materiais que poderiam ser feitos pela ABNT. Quarto, porque não tem registro no CREA do Espírito Santo; e quinto porque, de fato, nós concluímos que o projeto executivo e de fabricação possui falhas grave, que poderiam, podem ou causaram esse grande acidente. Isso aí só vamos concluir nos próximos 15 dias”, destacou.

Além disso, Jorge Silva afirmou que a empresa será proibida de atuar no Estado. "Ela vai ser proibida, de imediato, de atuar no Espírito Santo", completou.

A empresa Camarço Reservatório foi procurada pela reportagem para comentar a análise feita pelo Crea-ES e falar sobre as ações que estão sendo realizadas durante as investigações, mas ainda não retornou.

RELATÓRIO FINAL EM 15 DIAS

Essas informações prestadas pelo Crea-ES ainda são parciais e foram abordadas durante uma vistoria técnica no condomínio neste sábado. O relatório final sobre a queda das caixas d'água será divulgado em 15 dias, de acordo com o conselho.

O empreendimento residencial foi inaugurado no dia 14 de dezembro, após quase três anos em obras, e custou mais de R$ 40 milhões. Na ocasião, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, esteve no Estado para a cerimônia.
Empresa responsável pela produção das torres pode ser punida civil e criminalmente, de acordo com o conselho. Análise parcial identificou irregularidades na espessura e na qualidade do aço utilizado, sendo que uma delas atingiu o teto e o quinto andar de um dos edifícios.

Um homem que realizava serviços em uma das caixas d'água no momento do acidente ficou ferido e morreu no dia seguinte.

Do total de apartamentos, 40 unidades do bloco 6 do São Roque I e cinco do São Roque II foram interditadas devido ao acidente. Os moradores tiveram que deixar seus lares.

Até este sábado (30), 20 apartamentos do bloco 6 do Residencial São Roque I foram liberados e as famílias voltaram às suas casas. Foi sobre ele que uma das torres d'água caiu e ficou apoiada por dias, até que fosse feita a retirada.

A outra torre-d'água que desabou foi ao chão, destruindo parte da lateral do bloco 5 do São Roque II. A previsão da Cobra Engenharia, responsável pela construção do residencial, é de que a reconstrução das unidades atingidas seja concluída em 12 de fevereiro. Até lá, as 20 famílias devem permanecer fora de casa.

Caixa d'água caiu de condomínio, em Cariacica, e afetou estrutura de prédio (Foto: Fábio Nunes)

 
Entenda
  • Duas caixas d'água do condomínio São Roque, no bairro Padre Gabriel, em Cariacica, desabaram na manhã do dia 30 de dezembro.
  • Na época, ao menos 75 famílias tiveram de sair de suas casas, pois foram afetadas pela queda das estruturas.
  • Até então, faltam ser entregues seis apartamentos, que devem ser finalizados daqui a 12 dias.
  • O acidente também tirou a vida do bombeiro hidráulico Jucelino Roncon, 54, que realizava manutenção em uma das caixas d'água.
  • O relatório final com as causas do acidente deve ser divulgado pelo Crea-ES nos próximos 15 dias.
  • Apesar disso, o órgão já constatou irregularidades na fabricação e na execução do projeto das caixas d'água, além de erros graves nas especificações dos materiais.
  • Fonte: Pesquisa AT e Crea-ES.

Com informações de Tribuna Online e Rede Gazeta
Partilhar:

acidente de trabalho

engenharia

justiça

0 comentários: