Tambor da Aldeia - Liberdade de Imprensa

Assalto a banco em Criciúma: Piadas e comentários infelizes de Jornalistas da RBS provocam repulsa de patrocinadores

Partilhar:
Danntec Engenharia


No programa Timeline, da rádio Gaúcha de Porto Alegre, os jornalistas David Coimbra e Kelly Matos justificam as ações dos bandidos em assalto a banco de Criciúma, parabenizando os contraventores pelo "profissionalismo" e por "não estarem roubando do povo". Matos chegou ao ponto de afirmar: "crime não é roubar um banco, mas fundar um banco".

Para os apressados, liberdade de expressão não protege apenas o direito individual de expor o que se pensa, mas também o direito de não ouvir, não concordar, não dar espaço e não financiar àqueles dos quais discordamos.

Mais uma vez fica claro que levar a informação de forma isenta pode garantir a audiência, dar credibilidade e garantir a fonte de recursos financeiros ao veículo de comunicação. Episódios semelhantes levaram a demissão de repórteres e jornalistas dos canais onde trabalhavam. Nesse caso, a revolta ficou por conta dos patrocinadores.

Segue a nota da Unicred, e de outros patrocinadores do programa que decidiram cancelar seus contratos:

Prezados,

Diante da repercussão negativa sobre o conteúdo divulgado no programa Time Line, da Rádio Gaúcha, exibido em 02/12, onde os jornalistas Kelly Matos e David Coimbra comentam os fatos do assalto a uma agencia do Banco do Brasil, definimos rescindir o contrato de patrocínio, que deve cumprir o aviso prévio de 30 dias a partir da data do cancelamento.

A Unicred respeita a liberdade de imprensa e o trabalho realizado pelos jornalistas e pela RBS, no entanto não compactua com os comentários realizados a respeito dos bancos e assaltantes.

A repercussão negativa dos comentários levou alguns patrocinadores a se afastarem do programa, entre eles a Biscoitos Zezé e a Vinícola Salton. Ambas as marcas liberaram, nas redes sociais, notas de repúdio aos comentários dos apresentadores. 

"Não há contexto possível para tais comentários, no mínimo desrespeitosos e debochados. [...] Nossa solidariedade e carinho à cidade de Criciúma e em especial aos familiares e amigos do policial ferido", escreveu a Zezé. 

Já a Salton destacou que, como marca, "valoriza a família, a tradição e as comunidades em que está inserida", dizendo que os comentários dos jornalistas "não condizem com os valores que a empresa defende"...

Resposta da RBS

Boa tarde! A respeito de manifestação feita pelo comunicador David Coimbra, no programa Timeline da última quarta-feira (2), sobre o assalto em Criciúma (SC), o Grupo RBS informa que não houve intenção de minimizar a gravidade da ação criminosa e de ofender as empresas, os cidadãos e os policiais que foram feridos. 

O comunicador se retratou no ar na quinta-feira (3). A RBS pede desculpas pelo ocorrido e afirma seu respeito às instituições financeiras e às forças policiais, assim como a todas as pessoas atingidas pelo lamentável episódio. A linha editorial da RBS nos assuntos de segurança busca auxiliar cidadãos e empresas a se protegerem e valoriza as forças policiais na defesa da lei e da sociedade. 

A empresa tem como princípio estar aberta às críticas e aos questionamentos de todos, para ouvir suas percepções sobre todo e qualquer tema e estabelecer uma relação constante de diálogo e respeito. Essa atitude será reforçada nos próximos dias com diversos setores da sociedade com o propósito de aperfeiçoar o seu jornalismo responsável e independente.

Resposta dos Assinantes nas Redes Sociais

Vários assinantes resolveram cancelar assinatura do jornal ZH e incentivar milhares de outros assinantes publicando suas intenções em grupos de mensagens e nas redes. É possível que outros patrocínios também sejam cancelados.








Da redação com informações de grupos de Whatsapp
Partilhar:

INFORMAÇÃO

Jornalismo

0 comentários: