Procura por material para pequenas reformas e consertos emergenciais cresce com isolamento

Partilhar:
Danntec Engenharia
Com o isolamento social e toda a família reunida em casa, o uso dos espaços e equipamentos domésticos se intensificam, e podem levar a pequenos, mas incômodos, incidentes que atrapalham o bom funcionamento da rotina, como peças quebradas, vazamentos, curtos-circuitos, entre outros. Com as lojas de materiais de construção abertas, de acordo com orientação do decreto do Governador do DF, a população do tem conseguido resolver estas emergências, de forma a garantir o bom funcionamento da casa e o bem estar da família.

Vendedores de lojas de material de construção afirmam que os pequenos consertos emergenciais tem sido a maior demanda no Distrito Federal nestes tempos de pandemia de coronavírus. ”A maior parte das obras de construção foram interrompidas, em função do isolamento; outros, por medidas de contenção de gastos, adiaram planos de reformas; mas quando um cano estoura, não tem como esperar”, afirma o especialista. "É chuveiro que queima, pia que quebra, cano que estoura, fiação elétrica… Os problemas surgem de todos os lados”, é o que afirma Bosco Almeida, coordenador de marketing do Home Center Castelo.

Quem passou por este problema, recentemente, foi a professora e influenciadora digital Karl Jeaneth. Ela conta que o banheiro social da casa já vinha apresentando um pequeno vazamento, mas que, com por conta da correria do dia a dia, se dividindo entre o serviço público e dezenas de eventos profissionais, ela não deu muita atenção. Porém, com o marido e os dois filhos adultos em casa, o problema se intensificou e não teve mais como esperar. O sinal vermelho acendeu quando a conta de água chegou e o banheiro teve que ser interditado. "Imagina a situação deste povo todo em casa e o banheiro interditado?”, conta Karl Jeaneth.



O jeito foi chamar um pedreiro para o orçamento e correr para a loja de materiais de construção. O diagnóstico não foi tão simples: além de trocar o vaso e encanamento, seria preciso quebrar o piso também. A professora, então, resolveu a aproveitar a oportunidade para dar uma atualizada na decoração, e trocar os revestimentos. "É uma questão de garantir a usabilidade e o conforto da família", destaca Karl. “Já é um estresse para a maioria das pessoas ficar em casa, confinado, agora imagina com um chuveiro queimado, uma pia interditada, ou um banheiro que não funciona?”, lembra a professora, a caminho da obra.

A questão é que algumas coisas não são tão simples, como esclarece o especialista em pequenas reformas, Jonatas Gomes, da Omnes Serviços, uma empresa de “marido de aluguel” que viu seu trabalho triplicar no último mês. "Às vezes um mofo na parede vai exigir mexer no telhado; por causa de um vazamento tem que quebrar a parede e por ai vai”, completa.

Com informações de Infinito Comunicação
Partilhar:

construção civil

economia

obras

reformas

0 comentários: