Refrigerista morto em explosão em Goiás não era técnico, esclarece CRT

Partilhar:
Danntec Engenharia
Explosão de cilindro adaptado mata auxiliar de manutenção durante conserto de ar-condicionado | Foto: Polícia Civil de Goiás
Explosão de cilindro adaptado mata auxiliar de manutenção durante conserto de ar-condicionado | Foto: Polícia Civil de Goiás

O Conselho Regional dos Técnicos Industriais da 1ª Região (CRT-01), que representa os profissionais do Acre, Amazonas, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Roraima e Tocantins, emitiu ontem (2) nota lamentando a morte do auxiliar de manutenção Flávio Antônio Almeida, 44, em Quirinópolis (GO), a 292 quilômetros de Goiânia, na tarde da última sexta-feira (28).

Embora a imprensa tenha noticiado o acidente informando que a vítima era técnico da área, uma vez que estava realizando manutenção num aparelho de ar condicionado no momento da explosão do que aparentava ser um cilindro de transporte de fluido refrigerante adaptado para limpeza, ele não era habilitado pelo Conselho Federal dos Técnicos Industriais (CFT).

“Técnico é o profissional com formação acadêmica [reconhecida pelo Ministério da Educação] e devidamente registrado em seu conselho de classe para o exercício da profissão”, explicou o CRT-01.

Por essa razão, a autarquia reiterou a importância da contratação de profissionais cadastrados no sistema CFT/CRT para a realização de serviços de instalação e manutenção de equipamentos de refrigeração e ar condicionado.

“O CRT-01 trabalha intensamente para evitar esse tipo de tragédia e conta com a compreensão de toda a sociedade”, disse a entidade, em nota assinada por seu presidente, o técnico em agrimensura Luís Roberto Dias.

Segundo reportagem do Portal G1, a Polícia Civil realizou perícia no local do acidente e revelou que a explosão ocorreu devido a uma alta pressão dentro do cilindro, ressaltando que ainda não é possível saber o que causou esse aumento de pressão.

As autoridades informaram ao site que o “cilindro era artesanal, feito com uso de solda simples, e que a conclusão da perícia dirá se esse fator contribuiu ou não para o acidente”.

Em reportagem publicada pelo Portal UOL, a esposa da vítima, Eliane Silva, disse que seu marido trabalhava na área havia 28 anos. “Ele gostava muito do que fazia e tinha experiência. Foi uma fatalidade”, afirmou.

Com informações do UOL, G1 e  Blog do Frio
Partilhar:

acidente de trabalho

conselho profissional

segurança

0 comentários: