Boletim Corona Virus GovBR

Crise causada pelo surto de coronavírus coloca em xeque as políticas ultraliberais adotadas no país

Há exato um ano, os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defendiam a proposta de uma emenda constituci...



Há exato um ano, os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defendiam a proposta de uma emenda constitucional acabando com as despesas obrigatórias e as vinculações orçamentárias da saúde e de outras áreas essenciais, como a educação.

À época, Mandetta declarou não ter nenhum receio de que o setor perdesse recursos com a desvinculação e disse que o percentual mínimo definido para aplicação na área da saúde, por parte da União, causa distorções. Guedes afirmou que a intenção da PEC era dar aos políticos 100% do controle sobre os orçamentos da União, Estados e municípios.

Hoje, com a crise causada pelo coronavírus, o que se vê é um governo federal surpreendido pela pandemia e despreparado para enfrentar a gravidade da situação nas suas dimensões social, econômica e política.

A começar pelo presidente da República Jair Bolsonaro, que tem dado sucessivas declarações minimizando os efeitos da doença em vez de passar à população uma mensagem realista e responsável. Depois de convocar as pessoas para manifestações pró-governo, no domingo (15), contrariando as orientações do Ministério da Saúde, e ele mesmo ir ao encontro de apoiadores na frente do Palácio do Planalto, Bolsonaro concede uma entrevista coletiva que frustra o cidadão pela ausência de informações e medidas efetivas em seu favor. Ele voltou a dizer que não há motivo para “histeria”, apesar de considerar que a pandemia causada pelo novo coronavírus é “grave”.

“As consequências do ato de Bolsonaro (no domingo) vão além do ataque à democracia. Trata-se de uma irresponsabilidade sem tamanho, uma ameaça à vida das pessoas, expostas a um vírus que tem matado milhares ao redor do mundo. É isso que acontece quando se governa pensando em concentrar e manter seu próprio poder”, criticou o líder do PSB na Câmara, Alessandro Molon.

Enquanto Mandetta tem demonstrado um desempenho esperado em sua área, Guedes reage à crise com um conjunto de medidas insuficientes e inócuas do ponto de vista social. Como, por exemplo, acenar com R$ 200,00 de “ajuda mensal” para trabalhadores autônomos e informais que não recebam outros benefícios. Mas o governo ainda não disse como irá proceder para identificar essas pessoas nem como elas poderão se habilitar para receber o valor.

Mesmo diante do quadro de extrema ameaça à saúde da população, o ministro Guedes insiste em defender a aprovação das reformas administrativa e tributária, como “solução” para a crise econômica. “As reformas trarão as bases para gerar crescimento, emprego e renda após o surto, lá na frente. Apresentei 16 reformas — uma por semana. Minha primeira reação à crise do coronavírus foi estruturante: reforçar o sistema imunológico da economia”, disse Guedes, revelando, mais uma vez, o seu principal objetivo – dar prosseguimento ao processo de enxugamento do Estado e redução de direitos sociais.

Em sua última ida ao Congresso Nacional, o ministro reforçou o seu propósito, ignorando a ameaça à vida de milhões de brasileiros. Sem um plano consistente, recebeu críticas de parlamentares de muitos partidos. “Com esse quadro, Paulo Guedes vai ao Congresso com a proposta de reduzir ainda mais o Estado. O grande problema – aponta – da crise que vamos viver, inevitavelmente, infelizmente, é que hoje nossa rede de proteção social está esfacelada”, criticou o deputado Júlio Delgado (PSB-MG).

“Da parte de quem o defendia e o apoiou, sabem que a reforma tributária vai emperrar quando chegar na disputa dos Estados. Sabem que a administrativa, pelo potencial impopular, é impossível neste ano, e ele coloca essa como uma solução para o país sair da crise, saída essa que não vai acontecer”, afirmou Delgado. “Talvez ele comece a justificar uma saída honrosa. Sabendo das dificuldades para a implementação de suas reformas, acho que ele vai começar a arrumar uma desculpa para sair.”

A lógica do “super-ministro” de Bolsonaro é a do Estado mínimo para a maioria da população, justamente aqueles mais desprotegidos, mesmo no pior episódio de saúde pública vivido pelo país.

Estagnação econômica

O processo de estagnação econômica já se verificava antes mesmo dos efeitos do coronavírus na economia brasileira, com crescimento do PIB de 1,1% em 2019, iniciando 2020 com mais de 27 milhões entre desempregados e subempregados, 12 milhões de empregados sem carteira assinada no setor privado e 24,4 milhões de trabalhadores autônomos.

À precarização das relações de trabalho resultante da reforma trabalhista, aprovada durante o governo Temer, se somaram os graves efeitos sociais e econômicos do teto de gastos instituído em 2016.

A medida impediu que R$ 9 bilhões fossem investidos na saúde em 2019, segundo dados oficiais do Tesouro Nacional. Para 2020, a tendência é semelhante, com corte de R$ 9,46 bilhões e um orçamento de R$ 122,9 bilhões.

A determinação de manter o rigoroso limite de gastos públicos foi manifestada por Guedes no encontro com parlamentares do PSB. Na terça-feira (17), os deputados Alessandro Molon (RJ), Tadeu Alencar (PE) e Elias Vaz (GO) entregaram ao ministro um conjunto de propostas para o enfrentamento da pandemia. Diante da ausência de medidas efetivas e de curto prazo por parte do governo, os socialistas sugeriram iniciativas na área econômica, como a suspensão do teto de gastos públicos por dois anos, e o estímulo à produção de insumos como máscaras, álcool em gel e respiradores, assim como na área social, com o aumento emergencial do valor do Bolsa-Família, a criação de mecanismos de proteção aos trabalhadores informais e intermitentes e aqueles afetados pelo isolamento social.

De acordo com Molon, a equipe econômica do governo “recebeu bem” as propostas, com a ressalva, naturalmente, para a suspensão do teto de gastos.

Famílias gastam mais com saúde

Em dezembro do ano passado, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou em pesquisa que, no Brasil, os gastos com a saúde privada são superiores aos da saúde pública. Demonstrou, ainda, que, em proporção ao PIB, as famílias brasileiras gastam mais que o dobro da média dos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), enquanto o governo gasta quase a metade. Os dados são de 2017.

Segundo o IBGE, foram gastos R$ 608,3 bilhões em 2017 com o consumo de produtos e serviços da saúde. Deste montante, R$ 354,6 bilhões foram desembolsados pelas famílias, enquanto o governo investiu R$ 253,7 bilhões.

Os gastos das famílias incluem a compra de medicamentos, realização de exames, consultas particulares, internações e planos de saúde privados. Já os gastos do governo englobam as despesas de consumo com saúde pública, que inclui serviços prestados em hospitais e estabelecimentos públicos de saúde, além de serviços adquiridos de estabelecimentos privados.

O total gasto com saúde no Brasil naquele ano correspondeu a 9,2% PIB no país. Ao comparar essa participação com outros países selecionados, o IBGE identificou que o gasto público brasileiro (3,9% do PIB) é menor que a média dos países da OCDE (6,5%), enquanto os gastos privados (5,4%) superam em mais que o dobro a média dos mesmos países (2,3%).

Na comparação com países desenvolvidos como Alemanha, França, Japão, as diferenças da participação no PIB dos gastos privados e públicos é ainda maior – nos três países, o governo gasta mais de 9%, enquanto as famílias, menos de 2%.

Outro indicador apontado pelo IBGE é o gasto per capita com a saúde, ou seja, a despesa por habitante com os serviços relacionados à saúde no país. Em 2017, o consumo per capita das famílias foi de R$ 1.714,56, enquanto o do governo foi de R$ 1.226,76 – uma diferença de quase 30%.

Com informações da Assessoria de Comunicação/PSB Nacional

COMENTÁRIOS

Atualidade Politica
Nome

abnt,25,acessibilidade,1,acidente de trabalho,3,Acolhimento,1,administração,12,Aerolula,1,agricultura,3,agronegócio,14,água,16,águas claras,1,Aldo Rebelo,1,alianças,1,Ambulatório,1,Amor Cantado,1,aneel,5,animais,7,antissocial,3,ar condicionado,15,Arlete Sampaio,1,arquitetura,9,Arruda,1,arte,3,artigo,40,ASSOCIE-SE,14,assosindicos,148,atacarejo,1,ateu,2,ativismo,9,ATUALIDADE POLÍTICA,733,automobilsmo,2,aviação,1,Banco Regional de Brasília,4,beleza,1,Bolsa Família,1,Brasil,17,brasilia,1,Brasília,6,BRB,11,caesb,8,câmeras,2,CAMPANHA DO AGASALHO,1,campanha eleitoral,15,câncer,5,candidatura,4,Carnaval,6,carreira,11,carteira,2,cartilha,2,Casa Civil,1,cassação,1,católica,1,CEB,6,celular,1,censura,2,Centro Administrativo,1,charge,2,cidadania,58,CIDADE,59,Cidades,9,ciência,1,cinema,8,CLDF,34,codhab,2,Código de Edificações,4,código de posturas,1,Collor,1,combate à dengue,2,combate ao câncer de próstata,1,comemoração,4,Companhia Energética de Brasília,6,comportamento,13,comunidade,1,comunismo,3,conciliacao,4,concurso,1,condomínio,64,conic,1,conselho profissional,8,construção civil,17,construtoras,3,consulta pública,7,consumidor,16,consumo,6,conta,5,contribuição sindical,4,contrução civil,3,convênio,2,CONVITE,34,copa2014,1,corpus Christi,1,Correio Braziliense,1,corrida eleitoral,33,corrupção,36,crise,14,crise hídrica,6,Cuidar e Amparar,1,cultura,26,curso superior,3,cursos,15,custo de construção,1,custos,1,data comemorativa,13,debate,3,Defesa,5,democracia,1,dengue,2,Deputado Distrital,9,Deputado Federal,7,DER-DF,3,Desenvolvimento Pessoal,1,despesas,1,Detran,19,DFTrans,5,dia do síndico,5,dia mundial da água,2,Diálogos com a Juventude,1,DIGA NÃO AO AUMENTO DE IMPOSTOS,30,Dilma,3,dinheiro,10,diploma,1,direita,2,direito,30,Distrito Federal,29,ditadura militar,4,dívidas,9,Dona Sarah Kubitschek,1,drogas,2,economia,107,economistas,1,EDITAL DE CONVOCAÇÃO,2,Eduardo Campos,1,educação,63,eleições,117,eleitor,10,eletricidade,10,elevadores,4,empreendedorismo,28,empregado,10,emprego,6,empresas,16,energia,50,engenharia,72,EnSínAC,14,ENTENDER CONDOMÍNIO,2,entorno,7,entretenimento,9,Escola de Síndicos,33,espionagem,1,esporte,22,estatuto,2,evasão de divisas,1,evento,34,Fan Fest,1,feminismo,1,Fernando Henrique Cardoso,1,FHC,2,FIFA,1,fim de ano,2,finanças,10,finanças pessoais,22,fogo,1,fort atacadista,2,futebol,7,gás,2,gastronomia,14,GDF,127,Geriatria,1,Gerontologia,1,gestão condominial,5,Goiás,46,golpe,11,golpismo,6,Governador,30,Governo,65,guerra,7,habitação,10,HEF,2,HEL,1,HESLMB,1,Hetrin,1,HSBC,1,humor,2,IBRAM,2,IESB,1,igreja,2,IMED,2,imóveis,28,impeachment,3,impostos,34,inadimplência,4,incêndio,5,indústria,3,inelegibilidade,3,INFORMAÇÃO,21,informática,1,ingressos,1,inovação,23,INSCRIÇÃO AQUI,1,inspeção,1,inspeção predial,5,internacional,1,internet,30,itormann,1,Joaquim Barbosa,1,Jornalismo,45,Juarezão,1,justica,7,justiça,56,juventude,4,lazer,10,Letícia González,1,LGPD,4,livro,3,Lúcia Amorim de Brito,1,Lula,3,machismo,1,Manuela D'Ávila,1,manutenção,9,Marconi Perillo,1,marketing,2,MCB,105,MCIT,2,medicina,3,meio-ambiente,7,mensalão do DEM,1,mercado,13,mesa do Natal,1,meteorologia,1,microgeração,4,mídia,9,militar,4,ministério,5,Ministério Publico,4,Miriam Belchior,1,mobilidade urbana,21,moda,1,Monitoramento,1,mulher na poílica,3,Mulheres,21,Mulheres na Política,3,multa,4,mundo,21,município,7,Natal,2,Natal do Milhão,1,Negocios,1,Neoenergia,3,neurociência,2,neuromarketing,2,normas,9,NOTICIAS,338,notificação,1,Novembro Azul,1,nutrição,1,obras,50,ocupe o centro,1,opinião,1,orçamento,1,ORDEM DE SERVIÇO,1,Pacto por Brasília,1,pandemia,78,Parque da Cidade,3,Partidos Políticos,40,Paulo Dubois,2,Paulo Octávio,1,PCdoB,2,PDSK,3,Perpétua Almeida,1,perseguidos políticos,1,pesquisa,8,petróleo,3,PL,19,playground,2,pmdb,1,polícia,8,Política,139,Porto Alegre,2,postos de saúde,12,prefeito,5,prefeitura,7,presidência da república,7,presidenta,1,presidente,18,profissional,14,Projeto de Lei,53,pronunciamento,2,propaganda política,4,propina,1,PSD,1,PSDB,6,pt,1,qualificação,22,reforma,6,reforma política,10,reformas,6,registro,3,regras de convivência,13,relacionamento,4,religião,7,revitalização,1,Ricardo Izar,1,Ricardo Lustosa,1,Roberto Santiago,1,rodovias,1,Rousseff,2,Sandra Faraj,1,Sarah Kubitscheck,1,saúde,193,sedhab,2,segeth,1,segurança,52,seguro,5,selo de qualidade,2,senado federal,17,serviços técnicos,5,setor elétrico,2,sia / guará,14,sindicatos,2,síndico,119,smartphone,3,solar,2,SOLIDARIEDADE,8,sonegação,2,sorteio de casas,1,STF,9,subsíndico,1,Supermercados,1,Supremo,2,sustentabilidade,23,tarifas,13,taxa,6,técnico,8,tecnologia,57,telecomunicação,4,tendência política,76,Terceira Idade,1,trabalhador,38,transito,1,trânsito,19,transporte coletivo,20,transportes,9,Trocando ideias entre Síndicos,2,TSE,30,turismo,10,UDN,1,utilidade pública,6,Utilidades de casa,1,Vida de Solteiro,1,video,11,vistoria,1,votação,3,WhatsApp,4,zelador,1,
ltr
item
Atualidade Política: Crise causada pelo surto de coronavírus coloca em xeque as políticas ultraliberais adotadas no país
Crise causada pelo surto de coronavírus coloca em xeque as políticas ultraliberais adotadas no país
https://1.bp.blogspot.com/-6xNXObxNwcQ/XnVcSm8LhvI/AAAAAAAA1nM/hNYBl6wae7Aj8AQ03qeOfCicuTLGZ86mgCLcBGAsYHQ/s1600/No-metr%25C3%25B4-de-S%25C3%25A3o-Paulo-pessoas-come%25C3%25A7am-a-usar-m%25C3%25A1scaras-de-prote%25C3%25A7%25C3%25A3o-ap%25C3%25B3s-confirma%25C3%25A7%25C3%25A3o-de-caso-de-coronav%25C3%25ADrus-no-Brasil_Victor-Moriyama-Getty-Images.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-6xNXObxNwcQ/XnVcSm8LhvI/AAAAAAAA1nM/hNYBl6wae7Aj8AQ03qeOfCicuTLGZ86mgCLcBGAsYHQ/s72-c/No-metr%25C3%25B4-de-S%25C3%25A3o-Paulo-pessoas-come%25C3%25A7am-a-usar-m%25C3%25A1scaras-de-prote%25C3%25A7%25C3%25A3o-ap%25C3%25B3s-confirma%25C3%25A7%25C3%25A3o-de-caso-de-coronav%25C3%25ADrus-no-Brasil_Victor-Moriyama-Getty-Images.jpg
Atualidade Política
http://www.atualidadepolitica.com.br/2020/03/crise-causada-pelo-surto-de-coronavirus-coloca-em-xeque-as-politicas-ultraliberais-adotadas-no-pais.html
http://www.atualidadepolitica.com.br/
http://www.atualidadepolitica.com.br/
http://www.atualidadepolitica.com.br/2020/03/crise-causada-pelo-surto-de-coronavirus-coloca-em-xeque-as-politicas-ultraliberais-adotadas-no-pais.html
true
440335298870425399
UTF-8
Carregar todos Post não encontrado Ver todos Ler mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGS POSTS Ver tudo Relacionadas Tópico Arquivo BUSCAR Todos Nenhuma resposta para a busca Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto há $$1$$ minutos 1 hora há $$1$$ horas Ontem há $$1$$ dias há $$1$$ semanas há mais de 5 semanas Seguidores Seguir CONTEÚDO EXLUSIVO - COMPARTILHE PARA ACESSAR 1º Compartilhe em suas redes sociais para liberar 2º Clique no link compartilhado em sua rede social Copiar tudo Selecionar tudo Todos códigos copiados Códigos/textos não copiados, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C no Mac) para copiar Sumário