A recompensa é o olho da rua para trabalhadores que apoiaram o golpe

Partilhar:
Danntec Engenharia
Por Fernando Horta

A SBPC e uma parte das entidades de classe ligadas à ciência não foram contra o golpe. Algumas até classificaram tudo como "andamento institucional correto". Temer cortou em 44% as verbas para ciência.

A OAB apoiou o golpe, seu presidente foi efusivo defensor da ilegalidade. O STF chancela todo ataque da magistratura para criminalizar o advogado e o direito de defesa. E agora uma parte dos advogados - os trabalhistas - correm o risco de se tornarem desimportantes totalmente.

Os professores se dividiram com um grande número apoiando o golpe "contra u pêtê". Temer aprovou a reforma do ensino médio, deixando inúmeros sem postos de trabalho, agora aprova a terceirização e ainda tem os projetos ditatorias do MBL vindo por aí.

Os petroleiros apoiaram o golpe, "o petê quebrou a petrobrás" diziam os mal informados. Parente (presidente indicado por Temer) está vendendo a petrobrás por partes, mudaram a lei de partilha, mudaram as diretrizes que obrigavam a petrobrás a comprar de empresas nacionais e agora passa lei que permite demissão de funcionário estável para "cortar custos".

Os trabalhadores dos correios apoiaram o golpe. Tem até foto deles queimando a bandeira "do pêtê". Um número significativo já foi demitido e com a lei da terceirização um número maior ainda estão em risco.

Bancários do BB e da Caixa apoiavam emocionadamente o golpe. "Não aguentamos mais o 'pêtê'" diziam. Ambos os bancos deixaram de ser importantes no governo Temer (que pretende dar esta fatia de mercado aos bancos privados). Já foram fechadas mais de 3000 agências por todo o brasil e as demissões já começam a acontecer.

Os policiais foram a favor do golpe. Das polícias civis até a federal. Os desorientados reclamavam do "comunismo" e a parca capacidade de compreensão deles fizeram até dar tiros em foto da presidenta sem que nada acontecesse. Já tiveram suas verbas funcionais diminuídas e seus salários congelados por 20 anos. Agora estão no bojo das reformas da previdência e pela lei da terceirização estados poderão contratar empresas de segurança para policiamento. Além de perderem os valores por insalubridade e tudo mais.

Os jornalistas (que fazem a mídia funcionar) foram coniventes com o golpe. Se não estavam claramente distorcendo notícias e adulando o saco dos patrões estavam em silêncio. Fotógrafos cegados com tiros da PM, censura correndo solta nas redações e agora com a terceirização e precarização atingindo todos seus espaços diminuirão, na mesma proporção dos salários.

Taxistas apoiaram o golpe. Posso estar errado mas a grande maioria me parecia reacionário. Perdi as contas do número de discussões que tive com estes trabalhadores tentando alertar sobre o que acontecia. Eles apenas viam o "pêtê" ... Os dados dos sindicatos e empresas de tele táxi acusam queda já de 23% do uso do táxi. Menos dinheiro, menos salário para as pessoas, menos corridas de táxi ... era óbvio.

Os médicos ficaram a favor do golpe. A mostra que diploma não quer dizer inteligência. Revoltaram-se com os "cubanos". Tinha até médica dizendo que tinha achado o dedo do lula em locais bastante deselegantes. Tiveram seus salários congelados por 20 anos (os que trabalham para o estado) e agora serão transformados em mercadoria barata com o fim da clt e as terceirizações. A diminuição do SUS significa também o fim de alguma segurança financeira que estes profissionais tinham. Alguns ainda continuam achando bom, porque nos salvamos do comunismo. Isto mostra que os médicos deveriam ter planos exclusivos de assistência psiquiátrica para si mesmos.

Engenheiros apoiaram o golpe. O número de reacionários entre as profissões ligadas às ciências exatas é imenso. Parece que a lógica cartesiana que eles aprendem não lhes permite perceber nada além de 0 e 1. Tudo em conotação binária. Me recordo que durante os governos Lula e o primeiro Dilma o Brasil importava engenheiro. Os nacionais estavam quase todos empregados e o esforço era formar mais, pois o Brasil precisava de mais e melhores engenheiros. Agora, estão sendo demitidos pela crise da construção civil e da cadeia de produção do petróleo. Ainda com a terceirização serão mais baratos os seus preços, como todos os trabalhadores.

Os bancos estão felizes. Os juros se mantêm e o Temer liberou o FGTS para eles (quase 70% ficou com os bancos).

A mídia teve aumento de mais de 100% em média em suas verbas.
Os políticos tiveram aumento e não estão entre os atingidos pelas reformas.
Os magistrados e procuradores tiveram aumento e não são afetados pelas reformas.
Os militares tiveram cortes nos seus projetos estratégicos mas (mesmo responsáveis por mais da metade do problema da previdência) estão fora da reforma.

Entendeu agora, o que os historiadores, cientistas políticos e cientistas sociais diziam? Alertavam sobre um golpe jurídico-legislativo empresarial. Que era contra todos os trabalhadores e as pessoas mais pobres do país. Entendeu agora? Está claro?

O lema do momento é "follow the money"... então para saber quem ganhou e perdeu com o golpe "siga o dinheiro". Entenderás quem deu e quem sofreu o golpe, simples assim.

Edit 1: Alguns amigos estão sinalizando que a FUP (Federação dos Petroleiros NÃO foi contra o golpe). É verdade, em abril de 2016 eles lançaram nota contra o golpe. Entretanto, não houve manifestações mais fortes como greves e etc. Isso me foi dito por sindicalistas petroleiros que estiveram em Brasília em função de que a maioria dos petroleiros era "coxinha". E o sindicato se mostrava mais interessado e era travado pelos próprios trabalhadores...
Partilhar:

ABBP

ATUALIDADE POLÍTICA

MCB

tendência política

0 comentários: