Agências do Trabalhador do DF dobram número de recolocação no mercado

Partilhar:
Danntec Engenharia
De janeiro a novembro de 2016, 30% daqueles que procuraram alguma das 18 unidades espalhadas por Brasília, como a fiscal de caixa de supermercado Maria Elenilce, conseguiram emprego. No mesmo período do ano passado, o índice foi de 15%

Maria Elenilce da Silva, de 46 anos, trabalha como fiscal de caixa em um supermercado do Núcleo Bandeirante. Foto: Gabriel Jabur.
Mesmo com o País mergulhado em uma profunda crise econômica, o Distrito Federal apresentou melhora nos índices de desocupados de acordo com as três últimas edições da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) divulgadas pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan). Um dos fatores que contribuíram para a retomada na criação de empregos foi o número de pessoas inseridas no mercado de trabalho após serem encaminhadas pelas Agências do Trabalhador.

De janeiro a novembro de 2016, 30% (3.743) das pessoas que procuraram alguma das 18 unidades de Brasília conseguiram emprego. No mesmo período de 2015, o índice foi de 15%. Maria Elenilce da Silva, de 46 anos, está entre aquelas que conseguiram uma ocupação. Em 31 de dezembro de 2015 ela ficou desempregada. Após tirar um período para viajar e descansar, decidiu procurar emprego em março de 2016. Por indicação de uma amiga, recorreu à Agência do Trabalhador do Plano Piloto e, em menos de um mês, recebeu duas propostas.

“Fiquei impressionada com a rapidez com que fui chamada. Em menos de um mês tinha duas entrevistas agendadas e já estou trabalhando novamente”, diz Maria Elenilce, que exerce o cargo de fiscal de caixa em um supermercado do Núcleo Bandeirante.
"Fiquei impressionada com a rapidez com que fui chamada. Em menos de um mês tinha duas entrevistas agendadas e já estou trabalhando novamente"Maria Elenilce da Silva, de 46 anos

Uma das explicações para o governo ter conseguido dobrar o número de pessoas empregadas foi melhorar os critérios de encaminhamento dos candidatos. Os atendentes das agências passaram a considerar os cadastros no programa Qualifica mais Brasília, da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, que, só neste ano, recebeu cerca de 28 mil inscritos até outubro nos 21 cursos disponíveis no Portal da Qualificação Profissional.
Impacto na economia local

Para o subsecretário de Atendimento ao Trabalhador e Empregador do DF, da Secretaria Adjunta do Trabalho, Antônio Vieira, os indicadores demonstram que as empresas estão mais satisfeitas com a qualificação dos profissionais encaminhados pelas Agências do Trabalhador. “Quando o empresário fica satisfeito com o candidato que enviamos para a entrevista e o contrata, ele passa a recorrer sempre à agência. Essa relação de confiança é extremamente saudável para quem está na expectativa de conseguir um emprego”, avalia Vieira.
30% das pessoas encaminhadas para entrevistas pelas agências do trabalhador conseguiram emprego em 2016

O aumento nas contratações por indicação das Agências do Trabalhador tem impacto tímido na economia, mas não deixa de contribuir para movimentar mais dinheiro na cidade, como avalia Antônio Vieira. “São mais famílias que têm condições de consumir mais. Ainda que em escala pequena, ajuda nessa retomada do desenvolvimento do Distrito Federal.”

As Agências do Trabalhador servem como mediadoras para a recolocação profissional dos cidadãos. Qualquer pessoa pode se cadastrar. Nos últimos 13 anos, mais de 26 mil empresas já solicitaram mão de obra às agências. Por meio delas, o desempregado poupa tempo e dinheiro, uma vez que pode ter acesso a várias oportunidades em um mesmo lugar.

É o caso do operador de caixa Lucas Matheus Correia da Silva, de 22 anos, que conseguiu uma vaga em uma padaria do Lago Sul. “Passei cinco meses batendo de loja em loja distribuindo currículo e gastando o que eu não tinha para me deslocar. Quando recorri à Agência do Trabalhador, fiz o cadastro e em menos de cinco dias estava empregado”, conta.


Agências do Trabalhador no DF

Brazlândia
SCDN Bloco K, Loja 1/5
(61) 3255-3868 ou 3255-3869

Ceilândia
QNM 18/20, Bloco B
(61) 3255-3804 ou 3255-3805

Estrutural
Área Especial n° 8
(61) 3255-3808 ou 3255-3809

Gama
Área Especial S/N, Setor Central Administrativo
(61) 3255-3820 ou 3255-3821

Guará
Administração Regional do Guará II, Área Especial do Cave
(61) 3255-3872 ou 3255-3873

Itapoã
Administração Regional do Itapoã
(61) 3255-3856 ou 3255-3857

Planaltina
Avenida Uberdan Cardoso, Quadra 101
Administração Regional de Planaltina
(61) 3255-3829

Plano Piloto
Setor Comercial Sul Quadra 6, Lote 10 e 11
(61) 3255-3814 ou 3255-3815

P Sul, em Ceilândia
EQNP 26/28, Bloco G, Loja 5
(61) 3255-3824 ou 3255-3825

Recanto das Emas
Prédio da Biblioteca Pública, Quadra 805, Área Especial
(61) 3255-3865 ou 3255-3864

Riacho Fundo II
Quadra 2, Conjunto 5, Lote 2, Área Especial
(61) 3255-3827 ou 3255-3828

Samambaia
QN 303, Conjunto 1, Lote 3
(61) 3255-3832 ou 3255-3833

Santa Maria
QCE 211, Conjunto H, Galpão Cultural 9
(61) 3255-3836 ou 3255-3837

São Sebastião
Quadra 101, Área Especial, Administração Regional de São Sebastião
(61) 3255-3840 ou 3255-3841

Sobradinho
Quadra 8, Área Especial nº 3
(61) 3255-3844 ou 3255-3845

Taguatinga
C4, Lote 3, Avenida das Palmeiras
(61) 3255-3848 ou 3255-3849

Agência do Trabalhador Autônomo
Setor Comercial Sul, Quadra 6, Lote 10/11,
(61) 3255-3797 ou 3255-3798

Agência do Trabalhador para Pessoas com Deficiência
Estação de metrô da 112 Sul
(61) 3255-3800 ou 3255-3801
Partilhar:

MCB

NOTICIAS

Opine: