As dez chaves do ensino na Finlândia

Partilhar:
Danntec Engenharia
O sistema educativo finlandês é considerado um dos melhores do mundo, especialmente pelos bons resultados dos relatórios do PISA, e a avaliação que realiza a OCDE a cada três anos. E porquê? Você vai aprender algumas características essenciais da educação no país nórdico que podem ajudar a explicar o seu sucesso e na reflecção sobre o nosso próprio sistema de ensino.


DEZ PILARES DO SISTEMA EDUCACIONAL FINLANDÊS

1. os professores são profissionais valorizados. A educação é uma profissão de prestígio e os professores têm grande autoridade na escola e na sociedade. O equivalente ao ensino na Finlândia é uma titulação complicada, exigente e vasta, grau que inclui entrevistas pessoais, para que os professores sejam profissionais muito bem preparados em sua vocação.

2. a educação é gratuita e, portanto, acessível a todos. O sistema educacional público estabelece que a educação seja gratuita e obrigatória entre 7 e 16 anos de idade e deve ser dada por escolas públicas. Não se paga pelos livros ou material escolar e todas as crianças recebem uma refeição quente por dia na escola, gratuitamente. No caso da criança morar mais de 5km de distância da escola, o município deve organizar e pagar o transporte.

3. a distribuição do dinheiro público é feita de forma equitativa. Fundos estatais (impostos) são distribuidos de forma proporcional entre os centros. Há uma base de financiamento comum para todos, mas o valor final varia de acordo com as necessidades de cada um, então isso irá compensar aqueles com mais necessidades para o restante. Igualdade de oportunidades é um valor essencial.

4. o currículo é comum, mas os centros se organizam. Cada escola e seus professores concebem e organizam o currículo (embora tenham algumas linhas gerais e um quadro comum para todos) e se planejam para alcançar os resultados estabelecidos como acharem melhor.

5. a educação é personalizada. Desde as primeiras séries se intervêm para apoiar alunos com necessidades especiais, e evitar que suas dificuldades aumentem com a idade minimizando o percentual de insucesso escolar. Respeita-se o ritmo de aprendizagem de cada criança e se evitam testes e atividades padronizadas. Além disso, os professores freqüentemente lidam com o mesmo grupo do 1° (7 anos) até o 6° (12 anos), o que ajuda a conhecê-los melhor.

6. os alunos têm tempo para tudo. Educação é levada a sério, mas é também se dá importância ao divertimento e ao descanço. As crianças não vão à escola até 7 anos de idade, momento em que eles são considerados maduros para a aprendizagem. Além disso, as jornadas de aula são mais curtas. Alunos do ensino fundamental têm apenas 3 ou 4 matérias por dia, com intervalos de 15 minutos entre cada uma que se somam com o intervalo de alimentação. Quase não há deveres de casa, o trabalho é feito em sala de aula.

7. preparar a disciplina de aula é parte da jornada de trabalho. Os professores não ensinam durante muitas horas como em outros países. O tempo gasto em sala de aula é mais curto e passam as horas restantes para preparar suas lições, pesquisar, organizar ou trabalhar em colaboração com outros professores.

8. se evita competição e ostentação. Alunos não fazem exames e não são avaliados até o 5° ano (11 anos) e os relatórios que o professor prepara para os pais são descritivos, não numéricos.

9. se estimula curiosidade e participação. Imaginação e capacidade empreendedora são altamente valorizadas na sociedade finlandesa. Abundam as profissões criativas e artísticas bem como as de engenharia e tecnologia. Também se fomenta na educação, a criatividade, experimentação e colaboração que estão acima da memorização e lições magistrais.

10. os pais estão envolvidos. Sociedade e famílias acreditam que a educação é fundamental e é complementada por atividades culturais. Essa contribuição mútua ajuda os pais na conciliação da vida profissional e familiar, dispondo de mais tempo com seus filhos.


Fonte: aulaplaneta.com (em espanhol)

Saiba mais: A melhor educação do mundo é 100% estatal, gratuita e universal

Leia tembém: Por que as universidades custam tão caro nos EUA?
Partilhar:

ATUALIDADE POLÍTICA

cultura

curso superior

educação

Governo