Os congressistas brasileiros mais populares na internet

Partilhar:
Danntec Engenharia

Uma análise dos sites e redes sociais revela os parlamentares mais influentes no mundo digital

FELIPE GERMANO (TEXTO) E MARCO VERGOTTI (GRÁFICO)
13/03/2014 07h01 - Atualizado em 13/03/2014 08h47


Os congressistas brasileiros descobriram a internet. Entenderam que as redes sociais e os sites são fundamentais para se comunicar com seus eleitores. Mas ainda não se dedicam com afinco a atender os leitores pelos canais digitais. Essa é a principal conclusão de um levantamento feito pela Medialogue, agência digital de pesquisa em mídia. Eles avaliaram como os 513 deputados federais e 81 senadores usaram redes como Facebook e Twitter e seus próprios sites, entre agosto e outubro de 2013. Depois, compararam com o levantamento anterior, de 2011.

A primeira conclusão do estudo é que há um aumento no uso da internet pelos políticos. De certa forma, os congressistas foram aonde o povo está. A soma dos internautas que acompanham parlamentares no Twitter e no Facebook passou de 3,2 milhões para 9 milhões. É mais gente que o eleitorado da cidade de São Paulo. “O Facebook se consolidou como ferramenta preferida pelos políticos. Se há um local onde o debate ocorrerá, é lá”, diz Alexandre Secco, diretor da Medialogue e coordenador da pesquisa.

Apesar da crescente adesão dos congressistas às ferramentas digitais, seu uso ainda deixa a desejar. O estudo avaliou a diversidade de meios usados, a interação com os leitores, a transparência e a audiência dos políticos. Isso tudo gerou uma nota de 0 a 10, que avalia a influência desses políticos na internet. Por esse indicador, o desempenho do Congresso caiu. Em 2011, a nota máxima foi 8. Em 2013, foi 7. A média geral também caiu de 4 para 3. O deputado carioca Romário (PSB) se destaca quando o quesito é popularidade. Ele é líder de seguidores no Twitter e no Facebook, com um total de 1.102.641 internautas, mas não conseguiu a nota máxima da edição. O deputado baiano Jean Wyllys (PSOL), com 356.892, atingiu a nota 7. Ele responde aos e-mails e coloca no Twitter opiniões sobre as causas gays, sua principal bandeira política. Também expõe seus projetos de lei nas redes sociais e é aberto aos comentários dos participantes. Como as redes e as eleições se relacionarão no futuro é uma pergunta ainda sem resposta. “A internet é um meio relativamente novo na política, um uso experimental, mas crescerá nos próximos anos”, diz o cientista político Valeriano Costa, da Universidade de Campinas.

As notas dos congressistas - edição 822 (Foto: Felipe Germano (texto) e Marco Vergotti (gráfico))
Partilhar:

Opine: