Módulo mais antigo do Caje é demolido após 37 anos de história

Partilhar:
Danntec Engenharia






Desativação total do prédio deve ocorrer até janeiro do próximo ano

Uma história de tristeza, crimes e violência foi ao chão hoje (7) junto ao mais antigo módulo da Unidade de Internação do Plano Piloto (UIPP), demolido após 37 anos de existência. A previsão é que a desativação total do complexo ocorra até janeiro do próximo ano, data que marca a entrega das três novas unidades de internação nas cidades de São Sebastião, Brazlândia e Santa Maria.

"O módulo destruído, de número 8, tinha uma estrutura insalubre, sem nenhuma condição que favorece a ressocialização. Estamos reestruturando o sistema visando o retorno desses jovens à sociedade e contamos com a ajuda do governo, que encarou e investiu em um dos problemas mais graves do DF, com políticas sociais de qualidade", afirmou a secretária da Criança, Rejane Pitanga.
Um estudo da Secretaria de Segurança Pública revela que o índice de reincidência de adolescentes em conflito com a lei no DF, entre janeiro e setembro deste ano, chegou a 51%. Número que, segundo a secretária, deve diminuir consideravelmente com o as novas unidades de internação, que terão escola, oficinas de capacitação profissional e políticas de esporte. "A ideia é que o jovem volte para o quarto apenas para dormir".
As primeiras unidades inauguradas serão a de São Sebastião e de Brazlândia, com previsão de entrega até o final desse mês, e a de Santa Maria, que abrirá as portas em janeiro de 2014. "Estamos fazendo de tudo para que as obras sejam entregues no prazo estipulado no cronograma. Tudo dependerá de como o tempo se comportará nesse período", enfatizou a secretária.
Durante a demolição, muitos funcionários pararam para presenciar aquele momento único na unidade, entre eles um dos mais antigos agentes penitenciários, Rubens de Oliveira, que trabalha há 27 anos no local. Para ele, o evento representa a realização de um sonho não só para os internos, mas também para todas as pessoas que lidavam diariamente com a rotina no espaço.
"Vejo nesses destroços o fim de um passado e a esperança de um futuro melhor. Não presenciei apenas histórias ruins aqui nesse local. Salvei muitas vidas também. Graças a Deus presenciei poucas rebeliões nesse módulo, mas com essa ação, tenho a certeza de que as dificuldades estão sendo superadas", relatou com emoção o funcionário.
Opinião compartilhada pelo diretor da unidade, Renato Vilela, que vê a demolição como uma forma de demonstrar justiça para os internos e trabalhadores da unidade. "Todos os adolescentes tem a consciência que estão pagando por um ato errado que cometeram, mas isso pode ser feito com mais cidadania, por isso eles se sentem contemplados com esse momento de cuidado do estado para com eles", ressaltou.
O próximo passo, segundo Pitanga, será a inauguração da Unidade de Internação de Saída Sistemática (UNISS), que deve ocorrer até 20 de novembro, com 80 vagas, no Recanto das Emas, para onde serão transferidos adolescentes da UIPP e das outras unidades de internação que receberam o benefício de saída sistemática. Ainda permanecem na UIPP 291 adolescentes, que serão transferidos para as novas unidades.
Dos 30 adolescentes que ocupavam os 13 quartos do espaço, 16 foram remanejados dentro do próprio complexo, dez transferidos para a unidade de internação do Recanto das Emas e quatro encaminhados para Planaltina. A primeira etapa de desativação da UIPP ocorreu em outubro, com a transferência de 60 socioeducandos que cumprem medida de internação provisória para a nova ala no Centro Sócio Educativo Amigoniano (CESAMI), em São Sebastião.
UIPP - O prédio, inaugurado em 1976, tem 37 anos, e conta com dez módulos com alojamentos, cozinha, horta, escola com 20 salas de aula, salão multiuso, quadra de esportes e campo de futebol. A unidade oferece ainda cursos de profissionalização para os internos, entre eles, panificação, informática, artesanato, música, estofaria, mecânica de moto e automóvel. 

Partilhar: